Você sabe o que é um EPI?

Em tempos em que não se fala em outra coisa que não seja a pandemia, o COVID 19 trouxe à tona o uso de itens que até pouco tempo eram quase desconhecidos e/ou pouco utilizados por grande parte da população: os EPIs (Equipamento de Proteção Individual).

Esses itens saíram dos ambientes de trabalho de algumas áreas específicas (indústrias, construção, em empresas ligadas ao ramo da saúde, entre outras) e ganharam notoriedade nos noticiários do mundo inteiro, que vêm notificando a população mundial sobre a importância da utilização desses equipamentos.

Mas o que seriam os EPIs?

Os Equipamentos de Proteção Individual, os chamados EPIs, são os acessórios utilizados para proteger o individuo dos riscos que possam ser nocivos à sua saúde e integridade física, evitando acidentes e doenças ocupacionais.

Essa sigla é comumente utilizada no meio da segurança do trabalho e o uso deles é um direito do trabalhador, previsto na CLT e regulamentada através da Norma Regulamentadora n°. 06.

É responsabilidade do empregador disponibilizar esses acessórios aos seus funcionários e treiná-los para que utilizem da forma correta. Além disso, precisam garantir que eles estejam fazendo o uso desses equipamentos.

Quais são os tipos de EPI disponíveis?

Antes de disponibilizar esses itens aos empregados, deve-se elaborar um estudo que identificará quais são os riscos ocupacionais daquela função especifica, que geralmente é apontado pelo PPRA – Norma Regulamentadora n° 09.

Através disso, é possível detectar quais equipamento serão necessárias para desempenhar aquela determinada função.

Exemplos de EPI:

Máscaras respiratórias

Durante a realização de procedimentos em que haja possibilidade de respingo de sangue e outros fluidos corpóreos, nas mucosas da boca, nariz e olhos do profissional;

Aventais

Devem ser de mangas longas, gola padre, cobrir os joelhos do profissional e utilizados durante os procedimentos com possibilidade de contato com material biológico, inclusive em superfícies contaminadas. Podem ser descartáveis ou de tecido.

Capacetes

Destina-se à proteção da cabeça do trabalhador contra impactos causados por quedas de materiais, batidas e, dependendo do modelo, até mesmo contra choques elétricos;

Gorros

O uso deste EPI evita a queda de cabelos nas áreas de procedimento, além de ser uma barreira mecânica contra a contaminação dos cabelos por secreções, por aerossóis e por produtos. O gorro deve ser preferencialmente do tipo descartável, deve cobrir todo o cabelo e as orelhas e ser trocado sempre que necessário ou a cada turno laboral.

Calçados fechados

Proteção dos pés em locais úmidos ou com quantidade significativa de material infectante como centro cirúrgico ou situação de hemorragia;

Luvas

As luvas de segurança têm como função, proteger as mãos, os pulsos e os braços dos trabalhadores dos mais variados riscos no ambiente de trabalho, nos quais estão: riscos químicos e biológicos, como bactérias e fungos e riscos mecânicos, como cortes, perfurações e queimaduras.

Protetores auditivos

Utilizado na prevenção da perda auditiva induzida pelo ruído (PAIR) quando a exposição a uma fonte sonora não pode ser controlada ou eliminada, como é o caso da exposição ao ruído ocupacional;

Óculos de proteção

Durante a realização de procedimentos em que haja possibilidade de respingo de sangue e outros fluidos corpóreos, nas mucosas da boca, nariz e olhos do profissional;

Dentre outros.

Veja nosso e-book completo

E no caso do COVID-19, como devo utilizar os EPIs?

Para o atual momento, o uso dos itens de proteção não tem sido exclusividade dos profissionais da saúde, mas para profissionais de outras áreas e alguns desses itens são estendidos para uso global.

Alguns municípios brasileiros, inclusive estão exigindo o uso de máscaras (não as máscaras cirúrgicas) em vias públicas e locais fechados, chegando a punir através de multa àqueles que descumprirem a medida.

O que muitas pessoas desconhecem é que existem procedimentos para realizar a colocação e a retirada desses EPIs, garantindo assim a eficácia deles. O uso incorreto, pode invalidar a sua utilização e até mesmo, acelerar o processo de propagação do vírus.

Como colocar os EPI´S

A higienize das mãos antes de realizar a colocação dos itens de proteção (máscaras, aventais, jalecos, luvas, etc.) é a ação inicial.

  • Lave as mãos com água e sabonete neutro, sempre que puder. Aplique álcool 70%, caso esteja longe de uma pia.
  • As máscaras devem ser colocadas de forma que as mãos toquem apenas nos elásticos, evitando tocar a parte que terá contato com o seu rosto.

Respeite a ordem de colocação dos EPI´s

  1. Após higienização das mãos;
  2. Colocar o jaleco ou avental;
  3. Colocar a máscara de proteção;
  4. Colocar os óculos de proteção;
  5. Colocar as luvas.

Como retirar os EPI´s

A preocupação com a retirada e o descarte dos EPI´s são tão importantes quando a sua colocação. O não cumprimento de alguma etapa básica de segurança, pode colocar a perder todo esforço de se manter seguro.

Respeite a ordem de retirada dos EPI´s

  1. Retirar as luvas com a técnica adequada (retire a luva de uma das mãos puxando-a externamente sobre a mão, virando-a pelo avesso);
  2. Retirar o jaleco ou avental;
  3. Higienizar as mãos;
  4. Retirar o óculo de proteção;
  5. Retirar a máscara de proteção (sem tocar a parte interna)

Descarte dos EPI´s

  • Retire todos os itens colocados e descarte em locais apropriados, de acordo com a sua classificação de risco.
  • Para os itens utilizados por profissionais de saúde, há um protocolo de descarte de resíduos biológicos.  A Norma Regulamentadora  da área é a 32.
  • Os itens que forem descartados em casa devem estar em lixos fechados ou devidamente cobertos para evitar a propagação do vírus no ar.
  • Após a retirada dos EPIs, realize a higienização das mãos novamente.

Para os profissionais de saúde, segue aqui um ebook de orientação.

Orientação da OMS

A OMS divulgou recentemente um documento com orientações sobre o uso de máscaras e recomendou que as máscaras cirúrgicas de alta proteção sejam destinadas e reservadas apenas aos profissionais da área da saúde, levando em consideração que a fabricação desses insumos não está sendo o suficiente para suprir a demanda mundial e esses profissionais estão mais expostos.

O Ministério da Saúde recomenda que a população faça uso de máscaras caseiras em tecido e que podem ser reutilizadas.

Lembrando que elas devem cobrir totalmente boca e nariz e devem ter pelo menos duas camadas de tecido. Também devem ser de uso individual, mesmo que sejam higienizadas após o uso.

Dicas de uso da máscara caseira

  • Devem ser utilizadas por no máximo 3 horas (após isso devem ser trocadas);
  • Ao realizar a troca de máscara, manuseie o elástico ao redor das orelhas, não toque não a parte frontal da máscara e guarde-a em saco plástico ou de papel, até que possa realizar a higienização correta;
  • Após a retirada, devem ser lavadas com água corrente e sabão neutro. Deixe de molho em uma solução de água com água sanitária ou outro desinfetante equivalente de 20 a 30 minutos;
  • Passar com ferro quente e guardar em um recipiente fechado até que seja utilizada.

Dica: nesse momento de pandemia, cuidar do próximo também é cuidar de nós, de nossa família e amigos. Faça sua parte, preserve-se.

Invista sempre na segurança!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Captcha *